«

»

Sistema de Suspensão (mantendo o carro na linha) – parte 1

O sistema de suspensão tem uma função importantíssima no automóvel. É ela que absorve por meio dos seus componentes todas as irregularidades do solo e não permite que trancos e solavancos cheguem até os usuários. Também é responsável pela estabilidade do automóvel.

Os principais componentes do sistema de suspensão são:

  • Molas;
  • Amortecedores;
  • Barras estabilizadoras;
  • Pinos esféricos (pivôs);
  • Bandejas de suspensão.

Sem as molas e os amortecedores que permitem a movimentação controlado do sistema, o desconforto seria muito grande, principalmente em pisos irregulares. Isso sem falar na vida útil do veículo, que diminuiria muito com os fortes impactos sofridos.

Com os impactos transferidos para o veículo, há sofrimentos tanto do usuário como para o automóvel.

No automóvel podem vir a causar trincas na sua estrutura, que praticamente comprometeria todo o veículo.

Outro problema seria aqueles incômodos ruídos do painel do automóvel, que com a vibração e os impactos sofridos, aumentariam em muito. E todos nós sabemos como é chato esse barulho.

Para quem já andou num carrinho feito com rolamentos na juventude sabe muito bem o que é um veículo sem suspensão.

Molas e amortecedores trabalham em conjunto. A mola absorve os impactos sofridos pelas rodas e os amortecedores seguram a sua distensão brusca, evitando oscilações no veículo.

Nos veículos leves, a maioria das suspensões utilizam a mola helicoidal, que é formada por uma barra de aço enrolado em forma de espiral. Existem também outros tipos de molas, como as barras de torção (utilizado nos veículos VW como o Fusca, a Brasília, etc) e as semi-elípticas (utilizadas em veículos de carga).

A mola helicoidal pode trabalhar tanto na dianteira como na traseira do veículo. Seu posicionamento na suspensão depende da sua construção e estrutura. Entre os tipos de suspensões mais utilizadas no Brasil estão as do tipo Mc Phearson e as de duplo triângulos, ambos suspensões independentes.

Mais o que vem a ser uma suspensão independente?

Suspensão independente é aquela que cada um dos lados estão ligados às rodas de forma independente, ou seja, se uma roda passar por um desnivelamento, somente ela será deslocada, não modificando o posicionamento da roda oposta.

Já uma suspensão rígida, também chamado de ponte ou eixo rígido, as rodas estão ligadas diretamente por meio de um eixo. Se uma das rodas se deslocar devido a um desnivelamento, a roda oposta também irá se deslocar.

Como já dissemos, a forma como a mola e o amortecedor serão montados na suspensão, depende diretamente do tipo empregado.

 

O que ocorreria com o veículo se não houvessem os amortecedores?

Sabemos que toda ação tem uma reação. As molas quando comprimidas pela ação das suspensão, tende a voltar para sua posição normal. Assim, quanto maior for o impacto sofrido, maior e mais violenta será a sua compressão. A distensão da mola ocorre na mesma intensidade, fazendo com que o veículo fique oscilando. Isso é totalmente prejudicial à estabilidade do automóvel.

 

A energia absorvida pelas molas é liberada por meio de oscilações, o que também gera desconforto, além de comprometer a segurança, já que durante as oscilações, há perda de aderência das rodas com o solo, o que torna perigoso a condução do veículo, principalmente nas curvas.

É aí que entra a função dos amortecedores. Eles limitam as oscilações, frenando a abertura e fechamento da suspensão, tornado a dirigibilidade muito mais segura e estável, afinal de contas, pular é para canguru.

 

Os amortecedores podem ser de três tipos, o convencional, o pressurizado e o eletrônico.

O amortecedor convencional ou amortecedor hidráulico é constituído por um conjunto de pistão e válvulas, fixado a uma haste que se move dentro de um tubo com óleo específico para altas temperaturas e pressões. As válvulas regulam a passagem do óleo, controlando a velocidade da haste.

O controle de fluxo de óleo durante a abertura e o fechamento da suspensão é o que caracteriza a dupla ação dos amortecedores.

Um amortecedor hidráulico funciona muito bem, mas em condições severas, a velocidade de acionamento dos pistões se eleva tanto que o óleo não consegue acompanhá-lo, ocasionando um “vazio” e bolhas de ar logo abaixo do pistão.

Estes fenômenos são chamados de cavitação (vazio) e espumação (bolhas de ar), e provocam pequenas falhas no amortecimento. Quando a temperatura volta ao normal, o amortecedor também volta a operar normalmente. Em condições de uso normal, a cavitação e a espumação não acontecem.

A evolução surgiu com os amortecedores pressurizados, quando a NAKATA® lançou o HG (primeiro amortecedor pressurizado do Brasil).

A injeção de gás nitrogênio, em conjunto com uma válvula de fluxo do gás, cria uma câmara pressurizada fazendo com que o óleo seja pressionado para dentro do tubo de pressão com maior velocidade, evitando assim, a cavitação e a espumação.

O trabalho contínuo do amortecedor provoca o seu desgaste como em qualquer outra peça. Sendo assim, quando a vida útil do amortecedor terminar, troque-os.

É bom lembrar, embora a vida útil de um amortecedor seja bastante longa, faça uma revisão a cada 40.000 quilômetros.

Sinais de vazamento e excesso de oscilações no veículo indicam que os amortecedores já estão vencidos. Lembre-se, é a sua segurança que está em jogo, além do conforto é claro.

O desgaste de um amortecedor é normal com o passar do tempo, pois o constante atrito das peças em movimento, acabam desgastando e criando folga entre as partes móveis que compõem o amortecedor.

 

Quando for fazer uma troca de amortecedores, utilize sempre novos. Jamais coloque um amortecedor “recondicionado” no seu veículo ou do seu cliente.

Recondicionar um amortecedor é uma tarefa praticamente impossível, pois, seria necessário trocar todos os componentes internos do amortecedor, o que o tornaria tão caro quanto um novo. Também não existem peças de reposição para isso.

Então, como eles recondicionam os amortecedores?

Na verdade, eles não recondicionam e sim, furam o cilindro do amortecedor e introduzem um óleo “mais grosso”, normalmente óleo de motor ou de câmbio. Isso fará você pensar que o amortecedor tem eficiência, mas assim que for solicitado, ele deixará de funcionar.

Esse é um ato criminoso, pois, além de enganar o consumidor, ainda coloca a vida dele em jogo. Existem casos em que nem o óleo é trocado, apenas pintam a parte externa do amortecedor e os colocam em caixas.

Amortecedores comprados em “desmanches” também não devem ser utilizados, pois, como saber a procedência do mesmo e as suas condições?

 

Amortecedor, o famoso “costa-larga”.

Quando acontece qualquer tipo de problema na suspensão do veículo, é normal ouvirmos a expressão “amortecedores com problema”. Isso não é verdade, pois, como dissemos anteriormente, a suspensão é composta por vários componentes. Assim, um ruído vindo da suspensão não indica que o amortecedor esteja com problemas.

Molas cansadas ou quebradas, buchas, rolamentos de rodas, batentes ou coxins danificados, falta de alinhamento de direção ou do balanceamento das rodas podem causar problemas. Até a calibração dos pneus tem que ser levadas em conta.

 

 

Uma forma rotineira de verificar problemas com o amortecedor é balançar o carro com as mãos. Se o veículo oscilar uma vez e meia, o amortecedor está em boas condições de uso. Caso continue oscilando por muito tempo antes de parar, pode indicar um problema com as molas ou que o amortecedor não está mais controlando o seu trabalho.

Nestas condições, está na hora de fazer um revisão na suspensão e verificar os amortecedores.

É importante utilizar o amortecedor específico para o seu veículo.

Se na hora de substituir o amortecedor ele apresentar defeitos que não seja o seu desgaste natural, a suspensão deve ser checada de forma geral, pois, algum componente poderá estar afetando os amortecedores. A simples troca poderá danificar os novos amortecedores.

Se você substitui os amortecedores e fez uma revisão completa na suspensão e mesmo assim o veículo apresente vibrações ou falta de estabilidade, verifique a alinhamento e o balanceamento das rodas.

Para garantir uma maior vida útil dos amortecedores, certifique-se que os seus acessórios como as coifas de proteção da haste, os batentes e os coxins estejam em ordem.

Carga acima do limite especificado pelo manual do fabricante ou impactos muito fortes na suspensão podem danificar não só amortecedor mas todos os componentes da suspensão.

Observação: Não utilize graxa ou qualquer óleo de origem mineral para lubrificar partes da suspensão onde trabalham borrachas.

Os pinos esféricos ou pivôs da suspensão são pinos articulados que prendem o cubo da roda à suspensão.

Os pivôs de suspensão fazem a ligação entre as partes suspensas (chassi, carroceria) e as partes não suspensas (telescópico, manga de eixo, cubo de roda). Eles recebem grandes cargas e esforços durante a aceleração, frenagem e curvas, e, em alguns casos, também suportam o peso do veículo.

 

É preciso muita atenção quanto ao desgaste dos pivôs.

Os pivôs possuem uma coifa de proteção que impedem que poeiras ou qualquer tipo de material estranho penetre no alojamento da esfera de articulação. Isso evita o desgaste prematuro do componente e a sua quebra.

Se a coifa estiver rasgada, o pivô deve ser substituído imediatamente.

 

A quebra de um pivô consiste no desligamento do cubo de roda à suspensão. Com o veículo em movimento, poderá causar sérios acidentes. Normalmente, com a quebra do pivô a roda cai.

O braço de suspensão ou a bandeja permite a articulação das rodas na suspensão.

O estabilizador constitui-se de uma barra de aço curvada em forma de “U” e é instalada transversalmente no veículo em suspensões independentes.

É presa na suspensão por meio de mancais de borracha como pode ser visto na figura ao lado.

Com o tempo, é normal que estas buchas se danifiquem. Caso isso ocorra, as mesmas devem ser substituídas por novas junto com suas braçadeiras.

 

 

Para completar nosso assunto, ainda existem os componentes do sistema de direção, que também estão montados na suspensão do veículo.

 

Qualquer peça em condições irregulares devem ser substituídas.

Fonte de pesquisa: Almanaque Dana – Nakata números 35, 36 e 37

12 comentários

  1. Clayton disse:

    Amigo será que você poderia me dar informações úteis sobre como dar mais estabilidade ao meu fusca 68? Trocar as rodas ou pneus com aros maiores estrago o carro? Teria que mudar alguma coisa no carro para que ele não fosse afetado com a troca de rodas?

  2. dorival disse:

    amigo,

    bom dia,não sei o que acontece no meu renault clio sedan authentic ano 2003 16v
    4 portas esta com 149.000km.
    a 3 meses qdo.pego a estrada e atinjo a velocidade de 90 a 120kms o carro começa a fazer um ruido estranho..,ja troquei o rolamentodas rodas dianteiras e nada,o ruido aparece,e muito alto internamente no carro,será que alguem ja teve esse problema e o que pode ser,ando preocupado em pegar estrada,parece que esta raspando em algo.
    aguardo uma ajuda e obrigado.

    1. gustavo disse:

      Ja pensou nos pneus?
      eles podem gerar ruido em alta velocidade, isso acontece nos ka 2011 de minha irmã.

  3. Anderson disse:

    Olá. Toda vez que vou alinhar e balancear o meu carro, o profissional diz que preciso trocar o pivô e balança a roda do carro (que está suspenso) me dizendo que há folga. Gostaria de saber o que causa esse problema e se é realmente necessário a troca. Obs.: Faço alinhamento e balanceamento de 3 em 3 meses. Tenho um Meriva 2009 1.4 econoflex 4 portas. Obrigado.

  4. FLAVIO disse:

    Olá dorival, boa tarde!

    O problema que vc enfrenta é simples… troca de carro que resolve…rs

  5. valdir martins de souza disse:

    Fui realizar um alinhamento e um balanceamnto no meu carro,fiat mile,o oficina
    disse haver necesidade de trocar braço de suspenção,ao meu ver era apenas
    as borrachas, o parecer dele esta correto.
    Quando se deve trocar o braço de suspenção.

    att

    Valdir

  6. LUCAS OLIVEIRA disse:

    boa tarde!
    meu carro e corsa classic 2009 quando viro o volante ela faz barulho estranho parace tipo quebrado o que e sera?

  7. sandro disse:

    tenho um corsa sedan 1.0 2001 , que tem gnv, o que acontece e que o carro fica muito baixo em relaçao ao solo depois de abastecido ao ponto de bater em quebra molas e entradas de garagem . gostaria de uma dica para aumentar a altura do carro. grato!

    1. felipe disse:

      boa tarde sandro,

      existem oficina especializadas que trabalham somente com suspensao preparada da um a olhada no site da tebao , down works, nasa , gass suspensoes , na busca do site procure por molas gnv ….

  8. andre martins disse:

    ola!
    Tenho um corsa harh 2000 1.0 troquei as molas e amortecedores
    traseiros pois a traseira estava muito baixa e os amortecedores estavao
    vazndo.
    O problema e que mesmo com a troca dessas peças o carro nao aguenta
    o peso de tres pessoa que abaixa muito e raspa em quase todos os
    quebra molas.
    O que eu posso fazer pra resolver esse problema?
    Ja nao sei mais o que fazer pois cada mecanico fala uma
    coisa diferente do outro.

  9. Luciano disse:

    Hey, boa tarde.

    Eu queria saber se vcs sabem se tem algum KIT suspensão esportiva (baixa), para o renault 19 RN. da frente pois atras é barra de torção.

  10. maria geralda de morais freire disse:

    Bom dia,
    Tenho um fusca antigo, mas quero colocar um sistema de suspenção mas não
    sei qual , por favor me indique uma.
    Obrigado bom dia

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>