,

[REVIEW] Mitsubishi Lancer 2.4 AWD 2017

Uma geração velha, mas ainda pelejando.

Mitsubishi Lancer 2017

Caminhando através de um estacionamento cheio certo ocasião, tarde da noite, eu estava tendo dificuldade em encontrar nosso Mitsubishi Lancer 2017 prata de tração nas quatro rodas, 2.4 litros, entre os diferentes formatos e cores do local de luz fraca. Finalmente eu vi as luzes estreitas, montadas e inclinadas para dentro olhando para mim de longe, aí eu soube que era ele. Que outro sedan tem uma traseira como aquela? Após apertar um pequeno botão de destrave na borda da maçaneta eu entrei no Lancer e imediatamente fui transportado de volta a primeira vez que sentei em meu Subaru Impreza 2005 novinho. Com a embreagem básica do Mitsubishi e a tela touchscreen de 6.1 polegadas empoleirada no que parece uma unidade pós-venda, o carro trouxe de volta um ar aconchegante por dentro.

Vendido primeiramente no mercado americano como modelo 2008, o Mitsubishi Lancer está desatualizado. Esse Sedan compacto foi desenhado em outro período de tempo. Coisa que deixa a mostra. Competidores como o recém redesenhado Subaru Impreza, Hyundai Elantra (redesenhado para o modelo 2017), Honda Civic (redesenhado em 2016) e Toyota Corolla (repaginado para 2016) foram todos modernizado mais de uma vez. Sim, o Lancer foi revigorado para 2016, porem as mudanças não melhoraram o sedan de maneira suficiente.

Um carro moderno pra um modelo antigo

O Lancer 2017 parece tão moderno quanto qualquer carro do lado de fora, porem pule pra dentro e a história muda. Imediatamente você nota que a unidade principal com espaço para CD Player é menor do que a oferecida pela concorrência. Olhe para baixo em direção ao console central e vera um botão básico e um botão de volume, um clássico freio de mão, uns interruptores e um compartimento pequeno para guardar coisas. Alcance o botão de partida e você se surpreendera ao ver um cabo preto de plástico que você roda para dar partida. Conforme o carro ganha vida, você é presenteado por um grande velocímetro e tacômetro, porem uma tela de baixa resolução está parada entre eles.

Comece a dirigir o Lance e você notará imediatamente a falta de amortecimento sonoro para com a suspensão, estrada e motor, criando sua própria sinfonia que pode ser abafada por um sistema de som Rockford Fosgate opcional. Falando sobre barulho d motor, o carro é mundo quieto em marcha lenta, o barulho somente é exacerbado pelo CVT. Entretanto, o som do motor pode ser ignorado porque a maioria dos carros nesse segmento falha em entregar um som decente. Como esperado, o sistema de entretenimento e informação é lento e antiquado, porem você ainda pode conectar seu telefone através do Bluetooth e dar comandos de voz via o sistema integrado FUSE Hands-Free. Itens de segurança ativa como o freio automático e o alerta de ponto cego recentemente escorreram para esse segmento de carro, contudo não estão presentes no Lancer.

Mitsubishi Lancer 2017

Através dos anos, muitos compactos modernos resolveram os problemas supracitados. As telas de informação e entretenimento do piloto ficaram maiores com resolução maior, os sistemas são mais rápidos e oferecem conexão com smartphone através de aplicativos como Android Auto e Apple Carplay tendo saídas HDMI. Os rádios satélites SiriusXM eram uma boa opção no Lancer, porem, em nosso teste, o sistema acabava caindo. O moderno controle central agora oferece mais espaço interno e portacopos que, ao menos, tem uma cobertura e algumas linhas de textura. Mesmo num compacto de preço moderado, o motorista não deveria conseguir ouvir o suporte traseiro se comprimindo em solavancos.

Apesar dessas falhas, o Lancer 2017 não é todo ruim. A Mitsubishi oferece um item que nenhum outro compacto tem – e é de longe o meu favorito no Lancer – o moto seletor de direção, que trabalha em conjunto com o sistema Mitsubishi de controle nas quatro rodas (AWC em inglês). Isso pode soar como um modo EcoSport, porem é muito melhor. O modo seletivo de direção te permite trocar entre tração dianteira e nas quatro rodas com um giro de botão. O motorista pode escolher entre três modos: 2WD para direção econômica em pistas secas ou auto-estradas, 4WD AUTO para tração maior através da distribuição automática de potência entre os eixos frontais e traseiros de acordo com as condições de pilotagem, e o 4WD Lock para girar mais potência em direção as rodas traseiras em superfícies escorregadias como pistas com neve ou areia. Quando estou dirigindo o carro em transito pesado ou pistas secas, eu me certifico de que o Lancer está em modo 2WD para melhor economia. As poucas vezes que eu escapei do trafego de Los Angeles ou fui para as estradas do Canyon, o 4WD Auto fez a experiência de dirigir muito mais divertida devido a maior tração e confiança. Esse item definitivamente melhorou o fator diversão neste pequeno sedan e, mais importante, é mais seguro para quando se precisa de tração extra.

Um motor novamente incrível dentro do Mitsubishi Lancer 2017

O Lancer prove boa aceleração para direção pela cidade. Nosso carro testado veio equipado com o motor opcional de 168 cavalos, 167 lb-ft de torque, 2.4 litros I-4 combinado com um CVT. Quando testado, o Lancer de 3.221 libras (1461 Kg, aproximadamente) chegou a 60 mph em respeitáveis 7,8 segundos; seu rival de tração nas quatro rodas, o Subaru Impreza 2.0i esportivo de 152 cavalos levou cerca de longos 9 segundos para alcançar 60 mph. O Honda Civic de tração dianteira, motor turbo e 174 cavalos conseguir seus 0-60 em impressionantes 6,8 segundos, e um velho, porém ainda popular Toyota Corolla 2016 Edição Especial com tração dianteira e 132 cavalos recebeu a marca bem mais lenta de 9,8 segundos.

O Lancer passou por nosso percurso em 8 na marca de 27.6 segundos, o tempo exato do Subaru Impreza, mais rápido que o tempo de 28,3 do Corolla e só um pouquinho mais lento que o Honda Civic, de 27,4 segundos. A frenagem dos 60mph foi alcançada pelo Lancer em 122 pés, um pouco mais longe do que os 118 do Impreza e dos 120 do Civic, entretanto bem mais perto que os 131 pés do Corolla.

Mitsubishi Lancer 2017

O Lancer pode ter manuseio ousado e poder de frenagem para se manter junto da moderna concorrência, porem as plataformas digitais mostram sua idade, falhando nos testes de avaliação. O Subaru Impreza 2017, o Honda Civic e o Corolla, todos estes receberam as mais altas cinco estrelas de nota pela NHTSA, contudo o Mitsubishi Lancer 2017 recebeu a nota geral de quatro estrelas. A área da economia de combustível é outra na qual o Lancer revela sua idade. Com as marcas combinadas entre cidade/estrada em 26mpg, a versão parcial de tração nas quatro rodas do Lancer fica atrasada em comparação aos 32 mpg do Impreza de tração nas quatro rodas com direção combinada. De qualquer forma, esse compacto da Mitsubishi prove um manuseio esportivo, um andar decente, freios de sensação adequada, uma sensação vaguíssima de direção (existem muito piores) e boa visibilidade exterior.

O Lancer tem o preço inicial de $18,630 (mercado americano), levemente abaixo do Subaru Impreza ($19.215 – mercado americano), do Honda Civic ($19.615 – mercado americano) e do Toyota Corolla ($19.385 – mercado americano). Nos testamos o Lancer SEL 2.4 AWC, a classe mais alta com o SEL Sun disponível e pacote de som, que inclui um teto solar elétrico e sistema de áudio premium da Rockford Fosgate com 710 watts. Uma outra opção inclui rodas de 18 polegadas, faróis de LED, sensor de chuva nos limpadores de para brisa, bancos de couro, assentos frontais aquecidos, uma tela touchscreen de 6.1 polegadas e um sistema integrado FUSE Hands-Free com bluetooth e porta USB.

Enquanto eu dirigia o Lancer na ensolarada pista do oceano californiano, com o teto solar aberto e o sistema de som Rockford Fosgate vindo junto, eu perdoei várias falhas do Sedan e senti que era um carro muito honesto. Para aqueles que precisam de um carro que te leve de A até B, com uma direção divertida, um andar adequado e boa potência, o Lancer da conta do recado. Para o descrédito de meus companheiros, que chamaram o Lancer de peça de museu, eu aproveitei muito o tempo que passei com o Sedan. É um carro simples com um charme antigo que não tenta ser nada do que não é.

Com o futuro do Mitsubishi Lancer depois do modelo 2017 sendo incerto, é hora de botar esse carro japonês desconexo de longa data pra dormir. Conforme fui me afastando do Lancer pelo que pode ser a última vez, me peguei olhando para trás e tendo a mesma emoção terna dentro de mim mais uma vez. Talvez seja nostalgia, porém ainda é uma ótima sensação e é isso o que importa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *