10 Dicas para uma boa Manutenção do carro

Recentemente fiz um curso básico em mecânica de automóveis para que eu pudesse tornar-se mais especialista. Além disso, eu queria se relacionar com meu filho adolescente. Hey, eu não cresci fazendo cavalinhos em estacionamentos ou dirigir em torno sob o capô, o aprendizado de reparação de automóveis. Isso tudo era novo para mim.

Nosso professor Vittorio Principe, que é dono de Reparação Vittorio Auto no Bronx, Nova York, chamou o manual do proprietário para nossos veículos a “bíblia esquecida” e usou-o como nosso guia básico de reparação automóvel. Tendo anteriormente visto o manual do proprietário como um livro de grandes dimensões que foi muito complicado, fiquei muito feliz ao saber que ele era ao mesmo tempo fácil de usar e cheio de informações valiosas.

Principe, que sintoniza Ferraris de Michael Schumacher e hospeda o programa de áudio Lab Auto,, como me para o que você deve (e não deve) procurar quando precisar de serviços de reparação automóvel. A seguir, 10 dicas para você começar, em nenhuma ordem particular, porque todos são úteis:

1- Dog-ear o manual do proprietário.

Sim, é a bíblia do seu carro! Saber onde encontrar informações rapidamente pode ajudar na identificação de causas quando o problema surge. Você pode até ser capaz de evitar uma ida ao mecânico de automóveis, em primeiro lugar, se você descobrir que o seu “problema” resultou de não entender os controles do seu carro. Além de conhecer a marca e modelo do seu veículo, ele também ajuda a ter o nível de acabamento específico na mão para o técnico de serviço, como que, muitas vezes identifica o tamanho do motor e configuração, transmissão e outras características incluídas que variam de acordo com a linha de modelo. Esteja ciente de sua pintura exterior e códigos de cores interiores no corpo caso ou reparação de estofos é necessário. Mantenha o seu número de identificação do veículo (VIN) disponíveis, como este código provavelmente será necessária durante a programação de serviço.

2- Decidir entre oficina genérica e serviços na própria concessionária.

Técnicos na concessionária são especialistas; Eles são treinados pelo fabricante e, normalmente, trabalham exclusivamente em seu make de veículo. A maioria dos comerciantes tem um programa de formação contínua para o pessoal de serviço, que inclui não só os técnicos de serviço, mas também o gerenciador de serviços, consultores e pessoal de apoio. (Consulte “Funções da concessionária de serviço Staff … Quem faz o quê”). Mas o departamento de atendimento ao revendedor é geralmente a rota mais caro.

E isso não significa que os concessionários têm sempre os melhores técnicos. Muitas instalações de serviços de reparação automóvel independentes são iniciados por funcionários de revenda anteriores que querem operar sua própria loja de reparo. Para ajudar a decidir o que é certo para você, consulte “Canto Garagem vs. Comerciantes Departamento de Serviços”.

3- Mantenha seus registros em ordem, e levá-los com você.

Têm registros disponíveis em tudo que você faz para manter seu carro – e mantê-los no carro, se possível. Registros bem conservados pode ser fundamental para diagnosticar corretamente um problema veículo pela primeira vez. Registros incompletos podem levar a reparos de automóveis redundantes que desperdiçam seu tempo e dinheiro. Um veículo com uma história de serviço de reparo bem documentado também diz a seu mecânico que você valoriza o trabalho de primeira linha nos intervalos recomendados, e tem feito a sua parte para manter seu veículo em forma tip-top.

4- O técnico treinado em seu veículo específico fazer?

Carros e caminhões de hoje são máquinas extremamente complexas, e as suas características únicas variam muito de marca para marca. Fazendo com que seu técnico tenha obtido a formação adequada para o seu veículo específico é crucial, já que ferramentas e procedimentos especiais – muitos dos quais não estão facilmente disponíveis para a “média” mecânico de automóveis – são obrigados a atender corretamente seu automóvel.

5- é o técnico de serviço A.S.E. certificado?

Duas vezes por ano, o Instituto Nacional para Excelência de Serviço Automotivo oferece aos profissionais da indústria de serviços auto a chance de tornar-se certificados pela ASE. Ao passar um teste escrito e com pelo menos dois anos de experiência profissional em serviço de reparação de automóveis, mecânica de automóveis ganhar ASE certificação, colocando-os entre os principais profissionais da indústria. Indagar sobre A.S.E. credenciais são importantes, como a designação melhor assegura a competência de seu potencial mecânico de automóveis.

6- Informe-se sobre as taxas de fixação de preços e de trabalho.

Antes de entregar as chaves do seu departamento de serviço, certifique-se de determinar a taxa de trabalho. Lojas tipicamente postar a taxa em local visível, para estar atento e fazer perguntas se você está confuso. Certifique-se de compreender a maneira pela qual você será cobrado para uma reparação de automóveis. Muitas lojas faturar de acordo com os tempos de reparação estimados estabelecidos pelo fabricante. Um reparo que a tecnologia do serviço considera “menor” poderia realmente ser um trabalho durante todo o dia de acordo com as especificações do fabricante.

7- perguntas. Muitos deles.

Não se deixe intimidar. Faça perguntas sobre por que algo precisa de conserto ou como uma tecnologia funciona. Como cliente, você tem o direito de se tornar mais instruídos sobre o seu veículo.

8- Pedido de Peça OEM (SIMILARES)

Sempre que as peças precisam ser substituídas, não se esqueça de solicitar componentes OEM genuínas ao invés de peças genéricas. Manter especificações exatas do fabricante é importante para alcançar o desempenho ideal. O fascínio baixo preço de peças de reposição, muitas vezes solicita que os clientes renunciar qualidade OEM, mas gastar os dólares extra em equipamentos homologados pela fábrica agora pode fazer uma grande diferença na estrada, especialmente em termos de longevidade do veículo.

9- Ignorar o mito do de 100.000 km é para revisão completa.

“Isso não existe”, afirma Principe. “Cada veículo tem uma agenda de revisão específica recomendada pelo fabricante. Quanto mais você manter os sistemas de limpeza, melhor o veículo será executado.”

Variações no clima e estilo de condução também ditam a necessidade de manutenção. Pendulares em condições empoeiradas do deserto rapidamente entupir filtros de ar, ao dirigir curtas distâncias repetidamente podem desgastar-se o sistema de escape, como a umidade nunca é completamente evacuado. Condições extremamente quentes e frios requerem mais atenção ao fluido do radiador e óleo do motor.

10- Olhe para os sinais de alerta.

Por último, tendo em um carro por serviço é sempre um caso de Advertência Comprador – deixe o comprador beware. “Se um mecânico de automóveis não olha você nos olhos, fala de velocidade ou tenta escovar-lo fora – cuidado”, observou Principe. “Ele quer tentar esconder alguma coisa ou está apenas interessado na recepção no final da semana.”

Manutenção do motor

1 . Ruptura em seu novo motor

Apesar de todos os avanços na tecnologia automotiva , um novo motor ainda precisa ser quebrado . Quando o motor é montado na fábrica , as novas peças do motor são bastante apertado. A idéia é fazer com que as partes móveis vestir suavemente uns contra os outros , sem superaquecimento ou marcando . Geralmente , isso significa não sobrecarregar o motor durante os primeiros 500-1000 milhas; verifique o manual do proprietário para obter recomendações de arrombamento .

2. Já as alterações de petróleo feito regularmente

Seu motor vai durar mais se você trocar o óleo regularmente. Todas as peças móveis dentro do seu motor são lubrificados com óleo . Com a quilometragem, o óleo do motor gradualmente se deteriorar, contamina e perde suas qualidades lubrificantes. Sem mudanças de óleo regulares , seu motor vai , eventualmente, lodo e desgaste mais rápido . Ao mudar seu óleo começam a se deteriorar , o seu motor permanece limpo e bem lubrificado .

3. Saiba como verificar o nível de óleo e estado

Enquanto você dirige , uma certa quantidade de óleo é normalmente consumido pelo seu motor e do nível de óleo diminui gradualmente . Seu motor desgasta mais rápido , se é baixo em relação ao petróleo . Quando você tem um minuto livre , verifique o nível do óleo.

4 . O manual do proprietário tem todas as informações que você precisa

O manual do proprietário tem o mapa do compartimento do motor com instruções simples como verificar o nível de óleo do seu carro.

5 . Atestar se é baixo , mudar se ele está sujo

Estes são o exemplo de como vareta de óleo do motor do seu carro pode ser parecido . Se o nível do óleo estiver baixo, cobri-lo com o mesmo tipo de óleo que você já tem em seu motor. Se o óleo parece muito sujo, ver quando a sua próxima troca de óleo é devido.

6. Mantenha o seu motor de superaquecimento

O superaquecimento do motor pode causar muitos problemas caros . Um motor severamente superaquecido pode até precisar de ser substituído . Se você observar a temperatura do motor subindo mais alto que o normal, tem seu sistema de arrefecimento verificado.Na maioria dos carros, a temperatura normal de funcionamento do motor é algo em torno de meio entre ‘Cold ‘ e ‘ Hot’ .

7 . Mantenha o nivel do liquido do arrefecimento do motor (anticongelante )  completo

O sistema de arrefecimento do motor é preenchido com líquido anticongelante especial. Com o tempo, parte do liquido podem vazar ou evaporar. Baixo nível do líquido de refrigeração é uma das razões mais comuns para o superaquecimento do motor. Ter o seu nível de refrigerante verificada em cada mudança de óleo. Normalmente, o nível do líquido de arrefecimento pode ser verificado olhando para o tanque de transbordo. Se for baixo , tê-lo coberto acima ; o revendedor tem sempre o tipo de refrigerante recomendado . Se você está planejando fazer isso sozinho , tome cuidado , pois o sistema de refrigeração está sob pressão quando o motor estiver quente ! Verifique seu manual do proprietário para o procedimento adequado para verificar ou adicionar líquido de arrefecimento e para as precauções de segurança .

8 . Se a sua luz ” Check Engine” mantém-se ter seu carro verificado

Se o “Check Engine ” ou o símbolo do motor permanece aceso ou pisca com o motor ligado , ter seu carro check-out. Esta luzes de advertência acende-se quando o seu sistema de computador do carro detecta uma falha no sistema de controle de emissões. Às vezes, pode ser algo simples como uma tampa de tanque de gás solto, mas também pode ser causada por algum problema no motor que pode piorar com o tempo . Leia mais : O que pode fazer com que a luz ” Check Engine” para vir .

Lista de verificação de manutenção de carros e veículos – Parte 1/2

Não é preciso muito tempo para verificar os itens básicos de manutenção no seu carro como óleo do motor, fluido de transmissão ou pneus. Esta lista de verificação de manutenção do carro genérico é projetado para lhe dar uma idéia geral; como carros diferentes têm necessidades diferentes. Para obter as informações corretas sobre como manter o seu carro , bem como medidas de segurança , consulte o manual do proprietário do seu veículo ou levar o seu carro a um revendedor ou loja de auto reparo.
• noções básicas de manutenção de carros
• Como verificar o óleo do motor
• refrigerante do motor
• Filtro de ar
• Como verificar o fluido de transmissão automática
• bateria
• Wipers
• Pneus
• rotação do pneu
• Cuidar de pequenos problemas
• A inspecção regular

básico de manutenção de veículos

Realmente não é tão difícil de manter o seu carro em boa forma. Aqui está o básico :
– Leia o manual do proprietário do carro , ele tem todas as informações sobre a manutenção do carro , bem como as precauções de segurança .
– Mantenha todos os fluidos (por exemplo, óleo do motor , fluido de transmissão, líquido de arrefecimento , etc ) limpo e com tampo.
– Siga o cronograma de manutenção , há uma série de coisas que precisam ser regularmente reparado ou substituído em intervalos determinados (por exemplo, freios, filtro de ar , correia dentada , velas, etc )
– Verifique a pressão dos pneus regularmente.
– Mudança que você limpa pára-brisas , se não limpar corretamente .
– Lavar e encerar o veículo de vez em quando para manter o acabamento de um carro brilhante e protegido contra a corrosão .
– Lidar com os problemas assim que eles surgem , antes que se tornem mais graves e requerem reparos caros .
– Use apenas peças originais .
– Pelo menos uma vez por ano tem o seu carro confira em uma garagem.

Como verificar o óleo do motor

óleo de verificação do motor regularmente, especialmente se você notar que o nível de óleo cair entre as trocas de óleo . Óleo do motor esfria e lubrifica o motor. Dirigir com muito baixo nível de óleo pode causar problemas no motor.

Estacione o seu veículo em um terreno plano. Acione o freio de estacionamento. Certifique-se que a transmissão está em ” Park”. Desligue o motor. Espere um minuto ou dois para deixar de drenagem do óleo do motor para o cárter . Retire o óleo do motor
vareta. Se você não sabe onde ela está localizada , verifique o manual do proprietário , geralmente ele tem uma alça brilhante dizendo ” Óleo do motor ” .

Limpe a vareta fora . Insira-o totalmente . Retirá-lo novamente e verifique o nível do óleo .

O nível de óleo deve estar entre as “Low” e marca “FULL” . Nesta foto o nível está OK e óleo parece limpo .

Verificar
o estado do óleo : Se é demasiado preto, como na foto à esquerda , é definitivamente tempo para mudá-lo. Se é marrom , mas ainda limpo e transparente , como na foto à direita , está tudo bem .
Se o óleo do motor é do tipo ” café com leite ” cor significa que o refrigerante do motor se mistura com o óleo. Este é um sinal de algum problema interno do motor, como , por exemplo, uma cabeça junta vazamento – ter seu carro check-out.
Se o petróleo parece limpa , mas o nível é baixo , você pode simplesmente cobri-lo .

Para completar o óleo do motor use um tipo recomendado de óleo ; por exemplo, se o seu proprietário cap manual ou o enchimento de óleo indica SAE 5W -20 , utilize SAE 5W -20 óleo. Se o seu motor precisa de óleo sintético , use somente óleo sintético . Você pode encontrar o tipo de óleo recomendado para o seu carro no manual do proprietário.

Como completar o óleo do motor :
Adicionar uma pequena quantidade de óleo para o bocal de enchimento de óleo. Espere por uma
minutos para permitir que o óleo flua para o cárter . Verifique o nível do óleo novo com a vareta.
Se ainda estiver baixo, adicione mais um pouco. Mas não a encha demais . Não se esqueça
para instalar a vareta de volta e feche a tampa de óleo quando você
terminado .

Motor refrigerante (anticongelante )

verificar visualmente o nível do líquido de arrefecimento do motor no tanque de transbordo. O manual do proprietário tem as direções. O nível deve estar entre “Baixo” e marca “FULL” . ( Não abra a tampa do radiador ou a tampa do tanque de estouro sob pressão quando o motor estiver quente ! O sistema de refrigeração está sob pressão quando quente!) Se o nível do líquido de arrefecimento estiver baixo, você pode cobri-lo usando o tipo de refrigerante misturado com água recomendada . Mais uma vez, o manual do proprietário tem a maneira correta de fazê-lo.

Adicionar fluido de arrefecimento quando o motor está frio .
Use arrefecimento do motor apenas recomendado. Às vezes, arrefecimento do motor é já vendeu pré-misturado com água e às vezes você terá que misturá-lo . Verifique se o manual do proprietário ou ler as instruções na garrafa de refrigerante. Adicione cuidadosamente o líquido de arrefecimento no tanque de expansão para torná-lo entre “Baixo” e marca “FULL” .

Se o nível do líquido de arrefecimento cai dentro de um curto período de tempo depois de se aumentar , pode haver um vazamento. Ter o sistema de arrefecimento verificado – a falta de fluido refrigerante pode causar o superaquecimento do motor que pode resultar em sérios danos.

filtro de ar do motor

O filtro de ar do motor mantém o ar que entra no motor limpo, mas com o tempo o filtro estiver sujo e restringe o fluxo de ar . O filtro de ar do motor é geralmente recomendado para ser substituído a cada 12.000-15.000 milhas ou 20,000-24,000 km. Normalmente o filtro de ar fica marcada quando você levar o seu carro para uma mudança de óleo . Se você quiser dar uma olhada ou substituído mesmo, na maioria dos carros e caminhões é uma tarefa bastante fácil. O manual do proprietário tem as direções. Se você achar que o filtro de ar está sujo , substituiu-o ; não é uma parte muito caro. É melhor usar um filtro de ar original que você pode comprar em seu local departamento de peças de concessionária ; geralmente custa cerca de 20 dólares . Quando você está instalando o filtro de ar , verifique se ele está instalado corretamente ; novamente, verifique o manual do proprietário . Se o filtro não estiver instalado corretamente, ar não filtrado que entra no motor pode danificar o sensor de fluxo de ar e aumentar o desgaste do motor .

Bateu o carro? Arranhou o carro / Raspou o carro

Bater o carro é sempre desagradável. Depois da famosa discussão sobre “de quem é a culpa?”, você liga para o corretor, se tiver seguro, e recebe uma lista de oficinas para escolher onde levar seu carro: mas como decidir? Não escolha apenas pela localização, procure conhecer a oficina. Veja abaixo 10 dicas do que um bom local de funilaria e pintura deve ter para fazer um serviço de qualidade.

Desconfie do que é muito barato

Atenção com preços baixos e grandes descontos na franquia: serviços de funilaria e pintura exigem materiais de qualidade, habilidade manual e muita prática.
Bons profissionais cobram pela qualidade. E, ao contrário de outros serviços, um trabalho mal feito em funilaria e pintura às vezes só aparece com o tempo: o verniz começa a descascar, a pintura fica manchada e o retrabalho é inevitável.

É funileiro ou pintor?

Funilaria-e-Pintura-de-VeículosA grande maioria das oficinas possui uma estrutura definida, com funcionarios administrativos e técnicos em reparação. Neste ramo de atividade não cabe a figura do “faz tudo”, principalmente nas funções básicas: funilaria ou pintura.
Há exceções, em que um funcionário é bom nos dois serviços, mas, geralmente, cada um deles exige um especialista.

 

 

 

 

 

Martelinho ou funilaria?

matelinhoMartelinho só serve quando a tinta não foi tirada e é para pequenos reparos.
Como o serviço de martelinho é mais barato que o de funilaria, às vezes o cliente vai à oficina e quer resolver tudo com o primeiro. Mas se saiu a tinta, não tem conversa: é serviço de funilaria. Martelinho, ou martelinho de ouro, é uma técnica que nasceu nas fábricas de carro para tirar pequenos amassados onde não houve retirada da tinta.
Existe até curso para ensinar a técnica e as ferramentas usadas são específicas: este é um trabalho bastante delicado, são necessárias centenas de batidinhas para corrigir o amassado, por isso ele só é feito em pequenas áreas. Se a oficina oferece o serviço, provavelmente é porque ela tem de fato um técnico preparado: é difícil alguém se arriscar porque não vai conseguir “enganar” num tipo de serviço tão minucioso. Há oficinas que não têm um especialista, mas terceirizam esse serviço.
Desamassar nem sempre é bom
Se uma batida que tirou tinta não é caso para martelinho, uma que resultou em corte na chapa ou dano de grande porte não é caso nem de funilaria. O funcionário provavelmente oferecerá a troca da peça.

Avalie a situação: desamassar é indicado para pequenos reparos, como as famosas “raspadas”. Entenda que todo retrabalho em chapa metálica (desamassar, esquentar, estanhar) provoca mudanças na resistência estrutural da chapa. Ela se torna menos maleável, mais rígida, e com o tempo e o uso do carro podem surgir deformações permanentes.
Para oficinas que possuem solda MIG, este problema fica minimizado, pois a caloria da solda é concentrada em uma pequena área, preservando a estrutura da chapa.
No caso de para-choques, no entanto, o retrabalho é uma opção mais econômica, principalmente para veículos importados em que o preço das peças chega a ser dez vezes maior em relação ao valor do retrabalho.
Se você optar por peça nova, ao final do serviço, solicite para ver a peça velha.

Peça recondicionada (desmanche)

desmanche2
O assunto é polêmico. Se pensarmos pelo lado da sustentabilidade, não há problema em usar uma peça recondicionada. Desde que o serviço seja bem executado, o resultado será satisfatório. Porém, se pensarmos que uma parte deste mercado é abastecida de forma ilegal, aceitar peças de outros carros gera um certo desconforto.
De uma maneira ou de outra, o importante é que a utilização ou não destas peças deve ser combinada antecipadamente, até porque peças novas custam mais caro.

 

 

 

Vai pintar? Olhe a limpeza

Uma das grandes preocupações nas instalações das montadoras é a limpeza do setor de pintura, tanto que a maioria nem permite a visitação dele e os funcionários trabalham todos cobertos. Qualquer poeira ou pó é motivo para interromper a linha de produção.
Claro que as oficinas não são tão sofisticadas quanto as fábricas, mas as boas possuem cabine de pintura, ferramentas de polimento com aspirador acoplado e funcionários uniformizados.
Proteger o restante da lataria com material apropriado é importante: fuja de quem utiliza jornal, pois o ácido das folhas pode deixar manchas. O ideal é cobrir o carro com papel especial vendido por lojas de tintas, que não dissolve quando em contato com a tinta, não mancha e nem gruda na lataria.

Preparador de tinta

Mais conhecido como colorista, este profissional é fundamental para que seu carro não saia com duas cores. Em grandes oficinas, existe um laboratório para acerto de tintas e o colorista fáz parte do quadro de funcionários; já nas pequenas empresas esse trabalho é terceirizado.
O acerto de cores busca igualar a tonalidade de uma tinta nova com a tinta “cansada” (do carro). As diferenças são mais evidentes em cores básicas como branco, vermelho e amarelo. Portanto, se você possui um carro com uma destas cores, pergunte ao orçamentista como ele pretende acertar a tonalidade da tinta.

Secagem da tinta

polimentoveicularAs tintas automotivas possuem um tempo de cura (secagem) que varia de acordo com o fabricante. Estufas de secagem, que são um local apropriado, com temperatura controlada, abreviam esse tempo. Porém, apesar de comuns nas fábricas, elas são encontradas em poucas oficinas.
Se a oficina que você escolher não tiver esse equipamento, saiba que, em alguns casos, você terá o incômodo de levar a peça repintada para polir depois de uns 2 meses do serviço realizado. É o caso capuz, a peça mais incômoda de se repintar. Não fique bravo com o pintor se a peça ficar opaca depois de alguns dias: a culpa pode ser da caloria do motor. Ela provoca uma secagem desordenada do verniz e da tinta. Nada que um polimento não resolva.

Meio ambiente

Toda boa oficina deve seguir a legislação em relação à coleta de resíduos. A água utilizada deve ser tratada antes de retornar para a rede pública e os residuos de tinta, vernizes e solventes devem ser armazenados e coletados por empresa especializada.

Boa e velha indicação

Fechando o assunto, uma boa indicação é sempre bem-vinda. Como falamos no início, trata-se de um processo onde a habilidade do técnico é fundamental para o resultado do trabalho. Portanto, pergunte para quem já precisou e descubra onde estão os bons profissionais.

 

Tem alguma dúvida sobre cuidados com o seu carro? Escreva nos comentarios!!

Dicas de como comprar um carro usado

Dicas de como comprar um carro usado

Ter um ‘novo’ carro, mesmo que usado, pode ser um sonho, mas atenção, se não estiver alerta para alguns aspetos pode ser enganado e rapidamente entrar num pesadelo sem fim.  Para que a sua compra seja um sucesso e não um golpe ao seu novo sonho, ficam aqui algumas dicas que o vão ajudar em todo o processo.

Uma pesquisa profunda que começa por si mesmo

carro vendaQuem quer um carro ‘novo’ mas que opta por escolher um veículo semi-usado/usado tem que se lembrar de algo muito importante: pode aos nossos olhos ser novo mas não deixa de ser usado! Isto não significa que seja um item a adquirir menos válido que um novo, mas obriga-nos a pensar mais um pouco. Como todo o ser humano tendemos a deixar-nos levar pelas emoções consumistas ou pelo estilo do automóvel, esquecendo-nos daquilo que interessa: a melhor compra SEO perante o envolvimento financeiro, já que não deixa de ser um investimento. Por isso nada como:

  • Pensar friamente naquilo que realmente precisa, ajustando às suas necessidades a escolha (até mesmo se precisa de um carro!).
  • Procurar relatórios sobre a fiabilidade dos modelos escolhidos (consumos, performances, problemas a médio e longo prazo).
  • Ponderar as despesas inevitáveis: combustível, seguros, pequenas reparações ou substituições.
  • Não esquecer a desvalorização do automóvel assim que procede à sua compra (por isso pensar em revender se não gostar daquilo que escolheu só significa que irá perder dinheiro).

 

Saber escolher

carro venda 3Tendo pensado e ponderado o que deseja, agora é o momento de ter em atenção o modelo escolhido e procurar o melhor preço mediante certas características: a cor, o ano de fabricação, a quilometragem rodada, a quantidade de revisões efetuadas e a existência de opcionais. Hoje em dia os anúncios de carros usados estão disponíveis em sites para o efeito, mas tem que ter especial cuidado, pelo que se aconselha uma consulta no Detran (Departamento Estadual de Trânsito) para saber a proveniência do automóvel, principalmente em negócios de compra-venda entre particulares, pois pode estar a aventurar-se na compra de um carro roubado, sem saber claro, mas que mesmo assim não o desresponsabiliza e lhe confere garantias.  Quem quiser jogar pelo seguro poderá recorrer à oferta existente nos stands. Encontrará certamente uma vasta variedade de veículos. Neste setor tem que se lembrar que estará a lidar com vendedores profissionais, por isso cuidado para não cair na conversa fiada e não comprar exatamente aquilo que queria. Os especialistas aconselham a que deixe as emoções à porta do stand, e mesmo que saiba à partida qual é o carro que vai comprar, não deixe o vendedor perceber que já decidiu. Faça com que ele o “convença” das fantásticas qualidades da viatura e que o incentive a comprá-lo, não esquecendo as questões de garantia e estando alerta para os créditos muito acessíveis, mas cujas taxas são elevadas.

Não basta só escolher, também há que saber avaliar

Muito bem, encontrou o carro com que sonha e agora? Não dê nenhum passo sem um historial de revisões, tanto do interior como do exterior do veículo. As mudanças de óleo têm sido realizadas? Há tubos arrebentados, correntes partidas, motores sobreaquecidos? As luzes do painel de instrumentos estão a funcionar? O motor apresenta alguma batida ou barulho imediatamente nos primeiros segundos após a ignição? A suspensão tem sons esquisitos? Quando o carro frena o motor cai? A revisão já está feita? Tudo isto são questões que devem sempre ser bem avaliadas, pelo que a única hipótese reside na realização de um test-drive. Se não lhe for dada essa oportunidade já por si só é algo suspeito… Se não percebe nada de motores ou performances dos veículos faça-se acompanhar por alguém que perceba, no caso de não ter essa companhia, saiba que algumas empresas emitem laudos técnicos e realizam uma perícia cautelar do veículo. O laudo comprova a originalidade do chassis e motor, além de analisar toda a parte estrutural e documentação do veículo usado.

Sumarizamos em seguida para si os detalhes mais importantes a avaliar, para que faça a melhor compra, com a máxima garantia:

Exterior  e pintura

  • Analise sempre com luz solar as possíveis imperfeições da lataria e pintura que o carro possa apresentar.
  • Se encostar o seu rosto no para-lama e analisar a lateral, assim como se olhar o automóvel de frente, poderá encontrar desalinhamentos e imperfeições  na chapa e portas.
  • Analise o cofre do motor (as paredes devem estar sem ondulações e a pintura não pode estar nova em folha) para descartar possíveis batidas da dianteira. Outros sinais residem nos parafusos internos de fixação do painel da grade, que devem ser da mesma cor do veículo.
  • Marcas diferentes nos faróis e lanternas indicam que a peça original foi trocada, talvez por uma batida ou outras razões.

Parte mecânica e interior

  • Dê especial atenção à quilometragem do automóvel e relacione com o desgaste que o veículo apresenta, hoje em dia facilmente se alteram os velocímetros, principalmente os digitais.
  • Observe os sinais de desgaste do pedal do freio, quando nitidamente desgastado indica pelo menos 60 ou 70 mil km. Já no caso do volante ou cambio estarem lisos, sem a rugosidade do plástico, pode encará-los como gastos. O tecido dos bancos também deve ter o desgaste normal do tempo.
  • Uma forma de avaliar o desgaste dos amortecedores passa por balançar o carro.
  • Os pneus são dos componentes que apresentam mais desgaste. Esteja atento a marcas diferentes e desgastes irregulares,  já tal que pode significar sinais de desalinhamento ou problemas na suspensão.

carro usado 2Motor

  • Sempre que observe uma aparência impecável, desconfie de algum problema, como pode exemplo de um vazamento. Observe as juntas do cabeçote, pois a presença de óleo pode indicar um simples reaperto ou até o empenamento da peça.
  • Verifique o nível e o aspeto do óleo. Já sabe que se for muito escuro é provável que tenha andado a haver falhas nas mudanças de óleo, o que levanta questões pelo menos sobre o estado do motor.
  • O filtro de ar deve estar limpo e com pouco uso.
  • Quando ligar o carro, aperceba-se do tempo que o motor demora para funcionar. Uma demora acentuada, para além dos 10 segundos é mais do que um evidente mau sinal, podendo os bicos dos injetores estarem entupidos.
  • Uma boa aceleradela permite ver o escapamento. O ideal é ser preto de fuligem, se estiver melado de óleo precisa de reparo, e se a fumaça for densa, branca ou azul-clara o veículo está a queimar óleo.

 

Decidido é igual a compra feita?

carro usado 1Bem, se está satisfeito com o negócio pode realizar a compra, mas mesmo com ou sem dúvidas nunca é má ideia ponderar alguns dias, no fim de contas é sempre um investimento financeiro que pode pesar muito se for feito de forma impulsiva. Lembre-se que a escolha deve ser racional e não emocional para que a decisão seja acertada. Após  a decisão final, é só uma questão de tratar das legalidades necessárias, com especial atenção para o registo de propriedade e  obtenção de cópias validadas de contratos e garantia.

 

 

Seguindo estas dicas tem tudo do seu lado para que possa ter o seu carro de sonho.

 

Problemas no sensor de rotação?

Problemas no sensor de rotação?

O sensor de rotação é o mais importante sensor do sistema de injeção, podendo provocar o não funcionamento do motor em caso de alguma avaria, pelo que saber reconhecer os sintomas de um mau funcionamento deve ser um conhecimento que todos os motoristas deveriam possuir, pelo menos de forma a prevenir danos em mais componentes do motor. Mas como detetar problemas? Quais os sintomas mais comuns? Nada como umas pequenas noções desde a sua função, passando pelo diagnóstico de avarias, até à sua manutenção.

Um breve resumo sobre o sensor de rotação

sensor de rotação 3Para que saiba reconhecer problemas no sensor de rotação é importante que perceba o que este é, e qual a sua função no veículo. Os sensores de rotação foram criados para monitorar os componentes complexos e  sistemas computadorizados que integram os veículos com motor de combustão interna.Tal foi alcançado através de uma combinação de ímãs e uma bobina indutiva, com uma localização próxima à polia principal do virabrequim, ao volante do motor ou diretamente no virabrequim. Deste conceito mecânico nasceu o sensor de rotação, rapidamente alcançando o seu papel como um dos sensores mais importantes dos atuais motores a combustão. Este sensor faz assim uma monitoração da relação entre as válvulas e os pistões do motor, mantendo o tempo de válvulas variável, medindo ainda a velocidade do motor através do cálculo das suas rotações por minuto. Alguns dos modelos mais recentes deste tipo de sensor operam com base no efeito Hall, funcionando graças a uma tensão diferente ao longo de um condutor elétrico, terminando com a criação de um campo magnético. Neste caso o semicondutor elimina a necessidade da bobina indutiva e dos ímãs.

 

Quando estamos perante sintomas de problemas

Como qualquer componente mecânico e elétrico de um veículo, os problemas normalmente são detetados quando a peça deixa de funcionar, portanto, quando o sensor de rotação para de funcionar totalmente, ou então vai dando pequenas pistas através de problemas de temporização do motor. Neste caso podemos assistir desde ignições aparentemente normais com a paragem do motor após alguns segundos ou minutos, ou até pode mesmo nem ligar. Assim sendo, algumas pistas para as quais devemos estar atentos passam pela existência de backfires (refluxo de ar e combustível) ou rotações irregulares no caso de o veículo ligar.

 

Como ter a certeza – diagnóstico

teste de osciloscópioApós as nossas suspeitas, a única forma de ter a certeza é através da realização de um diagnóstico por um profissional especializado. Para que o diagnóstico seja fiável, é necessário recorrer a um osciloscópio, sendo possível determinar o momento da ignição em tempo real em vários regimes do motor, sem a necessidade de desmontar componentes, visualizando-se a forma de onda emitida, assim como o sincronismo de funcionamento. Também se poderá testar com o multímetro a resistência interna, contudo este  não é um teste conclusivo, podendo incorrer num erro de análise.  Mas é possível fazer um diagnóstico sem o osciloscópio? Bem, mediante o exposto e caso o seu mecânico não tenha um osciloscópio e lhe tente vender a ideia de que este não é necessário, uma coisa é certa, sem o recurso a esta ferramenta só será possível determinar a posição da roda geradora de impulsos em relação à árvore de manivelas de forma estática, posicionando a marca de referência da engrenagem da árvore de manivelas com a indicação no bloco do motor elevando o primeiro cilindro. Assim, neste caso, a marca de referência da roda geradora de impulso sincroniza-se com a marca de referência do flange. O que isto tudo quer dizer? Pelo menos que terá que se proceder à remoção das tampas da correia dentada, da transmissão, da embreagem e do volante do motor para ter um diagnóstico ‘correto’… contudo, sem a garantia de evitar algum erro, e com a única certeza de muitas horas de trabalho que depois aumentarão o custo da sua conta a pagar. Caber-lhe-à sempre a si ponderar o que é melhor para o seu veículo, tanto com base na experiência e competências do profissional que o está assistir, assim como de acordo com as despesas que pode comportar.

 

Mas quais são as soluções?

Fez-se o teste com o osciloscópio e o sensor de rotação não está a funcionar corretamente? Então o sensor de rotação tem que ser substituído.  Opte sempre por um mecânico que seja especializado na marca/fabricante do seu automóvel para que possa obter as peças e o serviço adequado, e se possível, evite utilizar peças usadas na substituição de componentes fundamentais. Estas podem ser mais baratas, mas a probabilidade de falharem é bastante superior relativamente às novas.

 

Manutenção do sensor de rotação?

 

sensor de rotação 2

Sim, uma manutenção adequada do sensor de rotação, quer com o objetivo preventivo quer corretivo, é uma das formas de ter sempre o seu motor protegido, aliás, as revisões dos automóveis são importantes por isso mesmo. Tendo em conta que os sensores de rotação tanto indutivos como os Hall dependem de um campo magnético de um imã para poder gerar o sinal, um passo básico de manutenção reside na remoção e limpeza do sensor eliminando possíveis resíduos ferrosos que o imã tenha atraido. Estes resíduos quando presentes podem provocar distorções no sinal, e posteriormente falhas de funcionamento do motor. Outro aspeto que também pode afetar o sinal reside em possíveis danos na roda dentada ou fônica. Assim sendo, rodas com alterações (dentes lascados, partidos, rodas mal fixas ou desalinhadas) devem ser substituídas ou reparadas, não se aconselhando soldar as mesmas numa tentativa de as recuperar. Uma das mais valias do teste de osciloscópio (para além de permitir testar parâmetros como a  continuidade do circuito, a resistência elétrica do sensor indutivo, a tensão de alimentação e o sinal), reside no facto de se poder detetar possíveis maus contactos nos conectores ou algum fio interrompido no chicote, sendo este tipo de falha uma das maiores causas de defeitos. O sincronismo da correia dentada será também um dos últimos parâmetros a avaliar e se necessário corrigir, mas tal como todos os outros componentes, a ser realizado sempre por um profissional.

Esperamos que agora o sensor de rotação e os seus problemas já não sejam um mistério para si, e que se alguma vez o seu motor não ligar, possa brilhar com os seus conhecimentos gerais, pelo menos sabendo qual a possível origem da falha.

 

Posts mais antigos «

» Posts mais novos