,

Como funciona o sistema de lubrificação do motor

Os motores dos carros precisam de óleo para funcionar adequadamente. Óleo lubrifica as partes do motor e ajuda a prevenir o superaquecimento. Trocar o óleo na época correta ajuda a preservar o motor.

Sistema de Lubrificação

Óleo de motor tem uma função vital: lubrificar, limpas e resfriar as diversas partes de um motor enquanto estão rodando milhares de vezes por minuto. Reduz o desgaste dos componentes do motor e assegura que tudo funcione com eficiência em temperaturas controladas. Manter óleo fresco se movimentando pelo sistema de lubrificação reduz a necessidade de reparos e faz com que seu motor dure mais tempo.

Motores têm dezenas de partes em movimento e todas precisam estar bem lubrificadas para proporcionar uma performance suave e consistente. O óleo viaja entre as seguintes partes enquanto está fluindo pelo seu motor:

  • Coletor de óleo: Também conhecido como reservatório, o coletor de óleo normalmente está situado na base do motor. Funciona como um reservatório para o óleo. É aqui que o óleo se aglomera quando o motor está desligado. A maioria dos veículos armazena entre quatro e oito litros de óleo no reservatório.
  • Bomba de óleo: A bomba pressuriza o óleo, empurrando-o pelo motor e mantendo os componentes constantemente lubrificados.
  • Tubo de recolha: Dirigido pela bomba, esse tubo suga o óleo do reservatório quando o motor é ligado, enviando-o através do filtro de óleo e pelo motor.
  • Válvula de alívio de pressão: Regula a pressão do óleo para um fluxo consistente mesmo quando há mudanças de carga e velocidade do motor.
  • Filtro de óleo: Filtra o óleo para prender detritos, sujeita, partículas de metal e outros contaminantes que podem desgastar e causar danos aos componentes do motor.
  • Buracos de jorro e galerias: Canais e buracos que são perfurados ou lançados no bloco do motor e seus componentes para assegurar que o óleo é distribuído equilibradamente por todas as partes.

TIPOS DE RESERVATÓRIO

Existem dois tipos de reservatório. O primeiro é um reservatório molhado, utilizado na maioria dos veículos. Neste sistema, o coletor de óleo está localizado na base do motor. Este design é prático para a maioria dos veículos porque o coletor fica localizado perto de onde o óleo é puxado e é relativamente barato para fabricar e consertar.
O segundo tipo de reservatório é o reservatório seco, que é visto com maior frequência em veículos de alta performance. O coletor de óleo é localizado em outro local do motor, especificamente não na base. Este design permite que veículos fiquem mais próximos ao chão, abaixando o centro de gravidade e melhorando a direção. Também ajuda a prevenir a abstenção de óleo caso o óleo se afaste o tubo de recolha.

O QUE O ÓLEO DE MOTOR FAZ

O propósito do óleo é limpar, resfriar e lubrificar os componentes do motor. O óleo cobre partes em movimento para que elas deslizem e não se arranhem quando se encostarem. Imagine duas peças de metal movendo uma contra a outra. Sem óleo, elas se arranhariam, roçariam e poderiam causar danos. Com óleo entre elas, as duas peças deslizam com pouquíssimo atrito.

O óleo também limpa as partes do motor que estão em movimento. O processo de combustão cria contaminantes e, com o passar do tempo, pequenas partículas de metal podem se aglomerar conforme os componentes deslizam entre si. Se o motor tem um vazamento ou não está perfeitamente vedado, água, sujeira e detritos da estrada também podem entrar no motor. O óleo trabalha para prender estes contaminantes, que são filtrados pelo filtro de óleo conforme o óleo roda pelo motor.

Os buracos de jorro espirram óleo na parte de baixo dos pistões, criando uma vedação mais forte contra as paredes do cilindro e formando uma fina camada de fluido entre as partes. Isso ajuda a otimizar a eficiência e potência do motor, pois o fluido na câmara de combustão consegue ser queimado de forma mais completa.

Outra função importante do óleo é carregar o calor para longe dos componentes, estendendo sua vida útil e prevenindo o superaquecimento do motor. Sem o óleo, os componentes iriam raspar uns contra os outros com o contato direto entre metal, criando um bocado de atrito e calor.

TIPOS DE ÓLEO

Óleos podem ser a base de petróleo ou componentes químicos sintéticos (não petrolífero). Normalmente são uma mistura de vários químicos, incluindo hidrocarbonos, polinterna-olefinas e polialfaolefinas. Óleo é medido através de sua viscosidade, ou grossura. Um óleo precisa ser grosso o suficiente para lubrificar os componentes, mas ao mesmo tempo fino o suficiente para se movimentar pelas galerias e entre espaços apertados. Temperaturas ambientes impactam na viscosidade do óleo, portanto ele precisa conseguir manter um fluxo eficiente mesmo em temperaturas frias de inverno ou quentes de verão.

A maioria dos veículos utiliza óleo convencional a base de petróleo, mas muitos carros (especialmente carros de performance) são projetados para funcionar com sintético. Alternar entre os dois pode causar problemas se seu motor não for projetado para um ou o outro. Talvez seu motor comece a queimar óleo – quando ele entra na câmara de combustão e queima, frequentemente produzindo uma fumaça azul denunciante pelo cano de escape.

Óleo sintético Castrol proporciona algumas vantagens para o seu carro. O óleo Castrol EDGE não é tão reativo às diferenças de temperatura e pode fornecer economia de combustível. Também reduz atrito nas partes do motor em comparação com óleo a base de petróleo. Óleo sintético Castrol GTX Magnatex pode proporcionar mais vida útil para o motor e reduzir a necessidade de manutenção. Castrol EDGE High Mileage é especificamente projetado para proteger motores mais velhos e otimizar sua performance.

CLASSIFICANDO O ÓLEO

Quando você vê uma garrafa de óleo, você vai perceber que há um conjunto de números no rótulo. Este número indica a classificação do óleo, algo importante para determinar qual óleo você quer utilizar no seu veículo. O sistema de classificação é definido pela Sociedade de Engenheiros Automotivos, e por isso você às vezes verá SAE na embalagem do óleo.

A SAE designa duas classificações ao óleo. Uma é pela sua viscosidade em baixa temperatura, e a outra é pela viscosidade em uma temperatura alta, típica de um motor em funcionamento. Por exemplo, você verá um óleo ser designado como SAE 10W-40. O 10W diz a você que o óleo tem viscosidade de 10 em temperaturas frias e uma viscosidade de 40 em temperaturas altas.

A classificação começa em zero e aumenta em espaços de cinco ou dez. Por exemplo, você verá classificações de 0, 5, 10, 15, 20, 25, 30, 40, 50 ou 60. Após os números 0, 5, 10, 15 ou 25, você verá a letra W, que significa inverno. Quanto mais baixo for o número antes do W, melhor será o fluxo em temperaturas baixas.

Óleos com classificação múltipla é comum é veículos hoje. Este tipo de óleo tem aditivos especiais que permitem que o óleo funcione bem em diferentes temperaturas. Estes aditivos são chamados de melhoradores de índice de viscosidade. Em termos práticos, significa que motoristas não precisam mais trocar o óleo de acordo com as estações para se adaptar às mudanças de temperatura, como comumente era feito antes.

ÓLEO COM ADITIVOS

Além dos melhoradores de índice de viscosidade, alguns fabricantes incluem outros aditivos para melhorar a performance do óleo. Por exemplo, detergentes podem ser adicionados para ajudar a limpar o motor. Outros aditivos podem ajudar a prevenir corrosão ou a neutralizar subprodutos ácidos.

Aditivos de disulfeto de molibdênio já foram utilizados para reduzir o desgaste e atrito, e eram populares até os anos 1970. Muitos aditivos não tiveram sua eficácia para melhorar performance ou reduzir danos comprovada, e, portanto, se tornaram menos comuns nos óleos de hoje em dia. Muitos veículos mais antigos terão um aditivo de zinco que é necessário para o óleo, considerando que o motor costumava funcionar a base de combustível de chumbo.

PROBLEMAS RELACIONADOS AO ÓLEO NO VEÍCULO

Quando o sistema de lubrificação não funciona adequadamente, ele pode causar danos sérios ao motor. Um dos problemas mais óbvios é quando o motor começa a vazar óleo. Se o problema não for resolvido, o veículo pode ficar sem óleo, fazendo com que o motor rapidamente fique danificado e precise de reparos ou reposições caras.

O primeiro passo é determinar de onde o óleo está vazando. Pode estar vindo de uma vedação danificada ou vazando. Se for a vedação do reservatório de óleo, pode ser facilmente substituída na maioria dos veículos. Um vazamento na junta da cabeça do carro pode causar danos permanentes ao motor do veículo e a junta inteira precisará ser substituída caso esteja vazando. Se seu fluido refrigerante está com uma cor marrom clara, isso é uma indicação de que o problema é com uma junta de cabeça estourada e que óleo está vazando para o fluido refrigerante.

Outro problema é quando a luz de pressão de óleo começa a piscar. Baixa pressão pode ocorrer por diversas razões. Se o tipo errado de óleo é colocado no veículo, ele pode abaixar a pressão no inverno ou verão. Um filtro entupido ou uma bomba defeituosa também reduzem a pressão do óleo.

MANUTENÇÃO NO SEU SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO

Para manter seu motor funcionando adequadamente, você precisa fazer manutenção no sistema de lubrificação. Isto significa trocar o óleo e o filtro conforme recomendado no manual do seu carro. Normalmente é a cada 3.000 a 7.000 quilômetros. Você também deve usar apenas a classificação de óleo que é recomendada pelo seu fabricante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *